Roberto Gonçalves (Beto da Montanha)

"Tudo vale a pena quando a alma não é pequena"

Livros à Venda

Liras ao Vento
Autor: 
Beto da Montanha

Editora: O Lutador
Ano: 2012
Páginas: 259
I.S.B.N.: 978-85-61871-24-6
Tipo: impresso
Preço: R$30.00
Sinopse:
Escrever. Ah escrever. Escrever é acordar palavras, e as "palavras são pássaros apressados, é preciso ter alçapão à mão". - Para quê? Clarice Lispector, disse: "Escrevo para livrar-me de mim, de alguns medos". Lygia Fagundes Telles, mais prudente, diz: "Hoje, minha face lúcida acordou antes da outra e está me vigiando com o seu olho gelado". "Não te condenes, adverte Fernando Pessoa, a morrer com os teus defeitos" Eros e Tânatos,deuses da mitologia grega.Freud elegeu para personificar as pulsões da vida e da morte,pois a paixão não canalizada para o amor pode transformar-se em depressão.Freud doente, solitário, abandonado, padecendo de câncer no queixo, escreveu entre suas mais brilhantes obras - "Para Além do princípio do prazer (1920); e "O mal estar na civilização (1930). A grande importância deste estudo reside na visão do ser humano em meio há dois instintos opostos: Eros trabalhando pela criatividade, harmonia, conexação sexual, reprodução e autopreservação; e Tânatos lutando pela destruição, repetição, agressão, compulsão e auto-destruição.
 
Encontros
Autor: 
Beto da Montanha

Editora: Editora Fumarc
Ano: 2006
Páginas: 85
I.S.B.N.: 869.0(81)-94
Tipo: impresso
Preço: R$30.00
Sinopse:
O que menos interessa ao outro é a nossa biografia. Ela faz-se em cada termo, palavra afável ou inflexa que desvela o poder de ter sido, o de ter esculpido ao londo desta vida, um ápice de nada, num átimo do tempo - insisto: existo. Num paradoxo, quanto menos identificado estou, raiz fincada no chão tiver, menos serei eu mesmo, mas serei o OUTRO. Este, sim, reflexo de mim mesmo, me aufere consciência.
Eu vejo, sinto, pressinto, respiro o outro no amplexo côncavo do espelho. Quantos eus perfilam no instante desta constatação? As palavras insinuam-se laureando a infinitude do ser. Nelas mergulhado, ouso enfrentar o silêncio na aventura perspicaz: Você colocaria o seu sonho numa moldura, fosse ela um enfeite submerso em possibilidades de fratura? Olhar é, em certa medida, transgredir, desnudar-se de tantos "eus" contingentes da existência. Sou a imanência do Inonimado,num tempo e espaço determinados em que o sujeito-objeto se fundem. A vida me é dada sempre no fio da navalha, no entrelaçar de acontecimentos nem sempre duradouros, nem sempre fugazes. Entretanto, resisto. Existo apesar de saber que minha biografia oriunda-se nos protótipos intra-uterinos de infindas gerações.
Reflito: a sua idade é a idade de seus sofrimentos? Você é um homem ou você é apenas uma reação impensada num lápso do ETERNO? O homem, é bom lembrá-lo, é capaz de ler a mensagem do mundo. Decifra-me se sou enigma de tantas imagens.
 
Contrapasso Poético
Autor: 
Beto da Montanha

Editora: O Autor
Ano: 2001
Páginas: 122
Tipo: impresso
Preço: R$25.00
Sinopse:
Contrapasso Poético revela, antes de tudo, o espírito afetuoso do autor. A cada poema somos tocados pela visão do mundo, pela sensibilidade do coração de poeta de Roberto Gonçalves. No poema "Oratório", por exemplo, está uma das pérolas desta reunião feliz de versos e ideias que é Contrapasso Poético: "Quem foste? Tua arte trairá tua origem". E tantas outras riquezas poéticas podemos viver e sentir neste livro, em que Roberto Gonçalves fala também de sua vivência familiar, sem ocultar seu mineirismo, sem omitir sentimentos... Tudo em Contrapasso Poético nasce no fundo da alma, como convém aos poetas autênticos, que prescindem do burilar enfadonho da palavra, em favor da inspiração pura e espontânea, criada a partir de conjunções de forças não se sabe até que ponto humanas, até que ponto divinas. E seja bem-vindo Roberto Gonçalves, ao mundo dos autores publicados, você que, além de grande ao escrever é também um ser humano sensível como poucos! Sua arte há de prevalecer sobre sua própria existência e será seu maior legado ao mundo!
 
Filosofando
Autor: 
Beto da Montanha

Editora: Editora do Autor
Ano: 1970
Páginas: 131
I.S.B.N.: 978-85-61871-24-6
Tipo: impresso
Preço: R$30.00
Sinopse:
Filosofia - Do grego "fhilos", amante, e "sophia", saber. Diz-se que Pitágoras, perguntado sobre o que era, numa época em que muitos se chamavam de "sophol (plural de "sophos, sábio), respondeu : "Sou um amante do saber (philosophos), um "amateur" (amador) do conhecimento, o que revelava uma humildade sublime. Deste modo, cunhou-se a palavra philosophia. Há um saber comum e um saber especulativo, procurado, buscado. O primeiro, o vulgar, chamavam os gregos de "doxa", palavra que significa opinião, e o segundo chamavam "episteme, que é o saber especulativo, conforme a divisão proposta por Platão (filósofo grego, 428-248, a.C,). Dessa forma, a Filosofia não era apenas o saber, nem um amor à sabedoria, mas um saber procurado, buscado, guiado, que tinha método para ser alcançado, que era "reflexivo".

Site do Escritor criado por Recanto das Letras