Roberto Gonçalves

"Tudo vale a pena quando a alma não é pequena"

Textos


             Os 107 anos de Ana Freire Gonçalves

              É nada, é quase nada. São apenas 107 anos...
                      O que é isso diante do tempo?
                                   É quase nada!
               Não veio para vestir a opulência do mundo.
                   E muito menos para ser assediada pela 

                              efemeridade das luzes.
              Não sorriu o sorriso das estrelas que retratam
                     um mundo de facilidade e felicidade.
                              Outra era a sua missão.
                 Nasceu em fazenda: pai, mãe e 11 irmãos.
               O tempo passou, mas os marcos e as pedras 
            da casa que a viu nascer, singela, permanecem
             preservadas e o córrego, manso, mas vigoroso, 
              no pomar da casa, –  o córrego que alimenta 
                o tosco monjolo para pilar milho desce 
                 generoso, sereno, desce sem frustração
                           abençoando o caminho.
        A vida só pode ser compreendida olhando pra trás;
         Mas só pode ser vivida, olhando para frente, 
                                 diz o filoósofo.
            Assim ela sempre fez, e, a exemplo dos girassóis, 
          seus olhos, embora cansados, continuam buscando 
           a luz, a luz que vem de Deus e ilumina a sua fé.
                               "A vida é uma brincadeira
                                Que se brinca sem brincar. 
                                A vida nunca é pequena
                                Pequeno é nosso altar"
     E brincando sem brincar, e embriagada de esperança,
       Soube alcatifar, com linhas de amor, os seis filhos,
           Na sua primitiva máquina de costura Singer.
Os netos vieram e ela estava perto e pronta para se dar...
              Dentro dela existe um monjolo que pila,
                         incansável  o milho, 
           E um córrego que corre desassombrado, 
                   Levvando vida por onde passa. 
      Do barro e do sopro de Deus, o seu ser e suas mãos 
         de avó, ainda vigorosas, vestiram-se de labor.
     Como o córrego que a viu nascer, deu-se por inteira
       À nova prole, porque grande eras suas reservas  
                               De vida e de amor.
                           Pequeno é o nosso altar...
          A memória de minha infância me pede expressão, 
                   E sussurra doces e verdadeiros versos.
                            "Eu vi minha mãe rezando
                             Aos pés da virgem Maria, 
                              Era uma santa escutando
                             O que a outra santa dizia".
           Como sal e luz entrará para o teatro da história, 
     E pela beleza do amor, da fraternidade e da soberania
           das rugas será lembrada por toda a eternidade,
                Porque um dia estará "além, no absoluto, 
           No distante, onde a chama se separou da lenha,
               A fulgir por si mesma na figura do infinito.

                                          Roberto Gonçalves
                         

 
RG
Enviado por RG em 28/08/2013
Alterado em 13/10/2014
Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras