Roberto Gonçalves

"Tudo vale a pena quando a alma não é pequena"

Textos


Rio de Janeiro, 25 de janeiro de 1970

Roberto

Aqui vão antecipados todos os meus sentimentos. Nas cartas que não poderei escrever, eu diria o quanto te quero e do bem me fizeste. Por que antes era o caos, agora só existe luz. Graças a ti, sinto-me como se tivesse uma nova alma. Pudesse transportar para ti toda a felicidade que me foi dada conhecer, ainda teria uma dívida muito grande, jamais saldada, pois só quem foi só como eu fui, saberia compreender a alegria pura que teu carinho me deu.
Nossas horas em comum trouxeram-me a compreensão do real valor da confiança, da fé e da esperança. Nesta esperança que falo, não estão incluídas as previsões para o futuro, mas sim a certeza daquilo que o nosso coração abriga no seu mais intimo escaninho, de um dia significar algo para alguém em quem poderemos depositar os ansêios passados e presentes. Quanto ao futuro talvez seja tarde demais; só Deus em Sua infinita bondade poderá modificar o que os homens deturparam. 
Fugindo à minha compreensão pude usufruir da maravilhosa felicidade que tuda vida à minha vida proporcionou.
Agora ela já não tão vazia, existirá sempre a certeza de que não nasci em vão, que pude receber e principalmente dar a alguém aquilo que em mim existe de mais puro, senão a pureza do corpo pelo menos a pureza da alma. Ela existia latente na esperança inconsciente de algum dia se manifestar. Deus que tudo vê colocou-te um dia em meu caminho para que eu pudesse, antes que fosse tarde demais, voltar ao caminho claro, cheio de luz em que só a fé pode levar aos homens a nova alegria de viver. Sim, repito, somente a fé traz aos desesperançados novo ânimo, novas esperanças e novas alegrias. 
Tudo isso eu devo a ti. Só mesmo alguém dotado como tu de sentimentos tão elevados e diferentes dos que atualmente predominam no mundo, só mesmo tu com tua fé pura quase de criança poderia servir para dignificação de outrem que já não mais sabia que isto um dia teve tanto significado.
Nesta saudade antecipada em que meu coração se confrange, eu tirarei forças para esperar tua presença novamente. Neste anseio de teus carinhos eu encontrarei forças para dignificar meu amor. 
Atrevo-me a esperar que no meio das alegrias puras que vai experimentar, te lembrarás de mim por um momento fugaz com o mesmo carinho e saudade com que te recordarei em todas as horas, dias, semanas que vão nos separar. As lembranças que se aninham em meu coração, estou certa, servirão de escudo contra tudo e contra todos que tentem ou pensem em poluir o bem mais precioso que Deus se dignou me conceder.
Até breve..., que Deus te acompanhe em todas as horas de tua vida. 
Saudades

Regina
Regina Arêas
Enviado por RG em 03/05/2015
Alterado em 03/05/2015
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras