Roberto Gonçalves

"Tudo vale a pena quando a alma não é pequena"

Textos


Amor de Perdição

   Camilo Castello Branco (1825-90) nasceu em Lisboa. Orfão de pai e mãe, foi levado pra Trás-os-Montes, onde recebeu a primeira educação em casa de uma irmã. Mais tarde fez estudos na Academia Politécnica e na Escola Médica do Pôrto, cidade onde posteriormente se fixou. Passou a última parte da vida em São Miguel de Seide. Não resistindo aos desgostos, sobretudo o de perder a vista, suicidou-se.
   Adversário dos realistas, Camilo escreveu para satirizá-los três romances: Eusébio Macário; A Corja e Vulcões de Lama. O realismo dessas obras ficou muito prejudicado pelo propósito caricatural. Valem no entanto pela energia e pitoresco do estilo. Já no romance A Brasileira de Prazins fez Camilo realismo sem intenção de sátira, realismo sobretudo na acumulação de pormenores descritivos nos retratos. Camilo escreveu ainda: Onde está a Felicidade?; Um Homem de Brios e Memórias de Guilherme do Amaral. Uma das faces mais características da figura de Camilo foi a sua agressividade de polemista insígne. Deixou ainda alguns volumes de poesias, história, teatro, crítica e jornalismo.
   Camilo cultivou principalmente o romance passional de caráter popular. E Amor de Perdição não fugiu a este estilo.
   Amor de Perdição foi escrito em 15 dias (quinze atormentados dias) como diz o autor. Teve como palco, principalmente as localidades de Viseu e Trás-os-Montes em 1805. Sua história de amor envolve duas famílias da aristocracia de então, que se nutriam de ódeio uma pela outra. Òdio este, acrescido ainda mais, pelo amor, que dos filhos de ambas, nasceu. Amor de perdição o foi para Tereza, filho de Tadeu de Albuquerque e não menos para o filho de Domingos Botelho, Simão Antônio Botelho. Assim é que à busca de separá-los, Tereza vê-se pelo pai confinada a um Convento.
   Do impedimento à concretização dos sonhos de amor, desenrola-se então, a dor, a frustração, a via crucis daquelas duas almas jovens e enamoradas. Ao lado deles outros personagens surgem, mas qual fogo fátuo desaparecem. Desaparecem como que para realçar, para evidenciar, para brilhar mais ainda o amor tema, o amor mensagem, puro, inabalável, fixo, não obstante de perdição. Perdição porque, guiados por este amor, eles se perderam com suas próprias vidas para este AMOR.

 
Roberto Gonçalves 
Escritor

 
RG
Enviado por RG em 22/12/2015
Alterado em 20/07/2017
Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras